quinta-feira, 19 de abril de 2012

Antes e Depois: Locomotiva Nº19 (BLW 38009), da EFOM

  Depois de aposentada, qual é o melhor destino para uma locomotiva? Em muitos casos, entidades de preservação fazem uma petição para que a companhia administradora dos bens ferroviários conceda o direito de manter a peça de valor histórico em tráfego em um trecho restrito, com fins turístico-culturais. Quando isso não é possível, tenta-se ainda preservar o equipamento como peça estática em um museu ou mostra, com todas as suas características originais mantidas ou recuperadas. Preferencialmente, opta-se por manter a máquina histórica preservada em um lugar próximo á ferrovia onde ela operou, para que ela ateste do passado da companhia e que os seus admiradores possam ter noção da tecnologia do passado.
  Infelizmente isso não acontece sempre. Muitas locomotivas e vagões que outrora prestaram valiosos serviços em linhas de todo o Brasil, hoje jazem em pátios e galpões á espera de um destino, na maioria dos casos não muito amistoso. Algumas, só saem de lá por motivos totalmente incoerentes, como o uso e locomotivas para enfeitar praças e alamedas. Muito benquistos para dar um toque neoclássico em ambientes públicos urbanos, os materiais ferroviários, alguns de grande valor histórico, se perdem pelo vandalismo e abandono ao tempo. Um exemplo bem conhecido na EFOM é o da locomotiva American Nº19 (BLW 38009), que prestava valiosos serviços no transporte turístico e executivo de passageiros nas linhas de 760mm da companhia. Com o advento da era intensiva do transporte de cargas, as locomotivas 4-4-0 foram sendo deixadas de lado, até que pouquíssimas se encontravam em operação.
  Perdendo sua utilidade na Vasconcelandia,para onde foi destinada junto com a locomotiva N18, a "19" foi vendida para a prefeitura do município de Wenceslau, PR, para ser utilizada como escultura no famoso Parque Barigui, onde permaneceu por mais de 20 anos sob a ação do tempo e de vândalos, até que, em 2010, a equipe do Museu Ferroviário de Curitiba, em parceria com o Shopping Estação, conseguiu autorização para retirar a locomotiva do parque e levá-la para a capital paranaense. Atualmente se encontra preservada no museu, totalmente descaracterizada e pintada com cores que destoam do padrão original.

O antes: Locomotiva Nº19 ao lado de seu maquinista, em um momento de descanso no pátio de São João del-Rei, década de 1970. Acervo de Thiago Lopes de Resende.
O depois: A 19 já inutilizada no Parque Barigui, na década de 1980. Atrás dela, o carro funerário da bitolinha, que foi vendido com ela e ninguém sabe para onde foi depois. Autor desconhecido.

O agora: A locomotiva se encontra em bom estado de conservação, mas o visual decepciona. A cabine foi totalmente descaracterizada, e várias das peças menores da caldeira e dos comandos foram removidas. A pintura também apresenta um padrão que foge totalmente ao estilo da EFOM, aliado á localização da mesma, em um museu que se trata de uma ferrovia totalmente diferente. Fotos de João Luís  V. Teixeira.
(Para saber mais sobre a saga da locomotiva Nº19, clique aqui.)

Um comentário:

  1. Moro em Curitiba , meu pai é mineiro e vivia em Ubá quando pequeno , quando veio para cá em 1971 ele desembarcou no shopping estação quando era ainda uma estação de trens , e também admiro muito a Nº19

    ResponderExcluir